quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Tomb of Blood


Alguém estava em cima de uma garota com uma faca na mão, as luzes que vinham do ginásio clareava pouco, mas o suficiente pra ver a pior cena da minha vida. Ele a segurava em cima do tumulo de Nevieck com toda a força que tinha, ela se debatia e gritava e gritava, dava pra perceber o choro nos gritos, havia sangue na faca que ele segurava com uma das mãos em que a garota tentava impedir com uma das mãos que a esfaqueasse. Ele provavelmente já havia feito uma vez e estava tentando fazer de novo, ele... Ele queria matá-la.
- Me solta. – Ela gritou e nesse ponto eu já sabia quem era. 
- É a Dorothy. – Disse respirando fundo.
- O que esta acontecendo? – James perguntou tentando passar por mim e nesse instante a faca penetrou a pele dela á fazendo gritar. – Ele esta matando ela! – Ele disse alto de mais fazendo o assassino olhar em nossa direção.
Virei-me e empurrei James pra debaixo das plantas que havia perto da porta fazendo sinal pra James ficar quieto. Olhei pra trás e vi Matt indo em direção a ele.
- Não seu idiota. – Eu gritei saindo da onde estava, mas já era tarde Matt já havia ido pra cima. Voltei a onde James estava com os olhos arregalados e assustados. - Me escuta James. – Disse sussurrando e segurando seus braços. – Se tivermos sorte ele não te viu... Então você vai reuni toda a força e coragem que você ainda tem e vai até o diretor, se ele não estiver no refeitório ele esta no quarto, e depois que o chamar vai até a enfermaria e peça para que ela chame uma ambulância e venha até o tumulo de Nevieck... Você consegue? - Ele apenas balançou a cabeça em um sim. – Consegue lembrar-se de tudo o que eu disse?
- Chamar o diretor e a enfermeira. – Concordei com a cabeça.
- Depois você vai pro seu quarto, tranca a janela e a porta, depois que acabar eu vou ao seu quarto, ok? – Perguntei calma ainda em um sussurro e ele novamente concordou com a cabeça. – Corre.
- E você? – James chorou.
- Eu vou tentar ganhar tempo aqui junto com Matt até o Diretor chegar. – Disse. – Agora vai garoto, não sei se Matt agüenta segurar ele. – Beijei sua testa e o soltei.
- Boa sorte. – Ele me olhou pela ultima vez e saiu correndo entrando no corredor do ginásio.
- Obrigada. – Disse pro vento. – Agora é sorte. – Fiz o sinal da cruz e fui em direção ao Tumulo.
- Levick. – Dorothy sorriu. – Amem. Olha eu acho que não tenho muito tempo nesse mundo, é o seguinte, diz pra minha mãe que eu a amo muito e que eu vou finalmente ver meu pai novamente, que ela adoraria ser avó... E o mais importante, diga a Victor que eu tentei nos saltar até o ultimo minuto, mas eu não consegui. – Ela começou a chorar.
- Você esta... – Eu olhei pra sua barriga e o desespero me tomou. – Ai meu Deus... O que... – Tirei o resto de sua blusa de cima de sua barriga e havia varias marcas de facada. – Quantas vezes ele te acertou?
- Não sei... Umas quatro pelo menos... Levick promete pra mim que vai dizer. – Ela segurou meu braço com força.
- Você vai dizer. – A encarei.
- Não da tempo. – Ela chorou.
- Da sim. Você vai falar com sua mãe, e com Victor, você não vai ver seu pai ainda, não é hora. – Segurei sua mão.
- Eu já perdi meu filho, não tenho mais o que fazer aqui. – Ela disse triste. – Levick... É ele mesmo ok, é um homem, tem muita força.
- Você tá sangrando muito... – Disse a ignorando.
- Levick. – Matt me chamou e eu olhei pra ele.
- Vai lá Levick, eu já estou morta.
- O QUE ESTA AVENDO AQUI? – Escutei o senhor Wilson gritando e quando olhei para trás ele estava lá nos olhando assustado.
- Droga. – Escutei Matt dizer e olhei pra ele que sangrava no peito e no abdômen, o homem aproveitou a distração de Matt e saiu correndo. – EU VOU MORRER, EU VOU MORRER, SOCORRO, SOCORRO, CADÊ A ENFERMEIRA? EU TÔ SANGRANDO!
Dorothy começou a rir e a chorar ao mesmo tempo.
- Não faz esforço Dorothy, não se mexe, por favor. – Pedi a olhando. – Eu vou chamar o Victor. – Disse desviando meu olhar para o diretor. – James foi chamar a enfermeira?
- Sim. – Ele concordou.
- Tomem conta dela... – Pedi me afastando. – Tem que dar tempo. – Disse pra mim mesma.
Entrei no corredor que dava do ginásio dando de cara com a enfermeira. – Dorothy foi esfaqueada, varias vez, Matt esta sangrando, chamo a ambulância? – Perguntei desesperada.
- Sim Alysha, já chamei. – Ela concordou assustada.
- Então vai. – Disse indo em direção aos dormitórios.

...

Nenhum comentário:

Postar um comentário