segunda-feira, 27 de abril de 2015

Poema II

Tenho pena de ti
Tenho pena de como acorda todas as manhas achando que ele lhe amas
Mas não amas
Apenas mais uma em uma cama usada por tantas vezes
Por tantas pessoas
Por tantas mulheres
Mulheres iguais a ti
Jovens
Inocentes
Apaixonadas
Frágeis
Sonhadoras
Sonhando com o amor
Que esse amor vai durar para sempre
Mas como durará?
Como durará um amor que nunca existiu?
Um amor que passa de mulher para mulher
Como um premio
Um premio por conseguir mais uma.
Mais uma inocente.
Uma inocente que acha que nunca vai acabar.
Que nunca vai chorar.
Que sempre vai sorrir.
Mas por trás dos teus sorrisos
Sorrisos que julgas felizes
Há alguém
Alguém que nunca se satisfaz